Publicidades

06/05/2018 | 07:44 | Praia Notícias

Trabalhadores resgatados de fazenda em SC ficavam em alojamento sem camas ou banheiros

Eles devem voltar à BA, de onde vieram, na próxima semana. Conforme investigação, 34 pessoas estavam sem salário e alimentação

Alojamento de trabalhadores em Rancho Queimado (MPT-SC/Divulgação)


Os 34 trabalhadores resgatados em situação análoga à escravidão em Rancho Queimado, na Grande Florianópolis, estavam em alojamentos sem camas ou banheiros. Eles são da Bahia e devem retornar ao estado na próximas semana, como mostrou o NSC Notícias deste sábado (5).


O resgate foi feito por uma força-tarefa do Ministério Público do Trabalho (MPT-SC) entre quinta (3) e sexta-feira (4). Conforme o MPT-SC, os homens trabalhavam há cerca de um mês em uma fazenda de extração de pinus.


Quando os fiscais chegaram no alojamento, a comida estava acabando. Só havia linguiça e feijão, além de arroz em quantidade insuficiente.


O grupo não recebeu o dinheiro prometido. "Se a gente recebe, a gente consegue manter. Nós já chegamos num limite que eu não consigo mais", disse um trabalhador, que não foi identificado. No alojamento, não havia local para eles se alimentarem. A água vinha de uma nascente.


Proprietários e multas


A fazenda é de um advogado de Lages, na Serra catarinense. Uma empresário paulista comprou as árvores e contratou uma empresa, também de São Paulo, para fazer o corte. Uma segunda empresa achou a mão de obra.


O dono da fazenda teria recebido um calote e ficado sem dinheiro. A força-tarefa não conseguiu encontrar nem ele nem o empresário que comprou as árvores.

Fonte: G1

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer