Publicidades

22/10/2019 | 05:44 | Polícia

Em meio a conflito entre índios, Funai pede intervenção federal na maior reserva do RS

Tropas para conter atentados entre grupos de caingangues poderão ser do Exército, Força Nacional de Segurança ou PF

Veículo que era usado por cacique ficou marcado por tiros após ataque em Redentora, no Noroeste - Divulgação / Brigada Militar


Entenda a reportagem em cinco pontos:


Homens armados dispararam contra a casa e o carro do cacique da tribo caingangue Carlinhos Alfaiate, no sábado, em Redentora.


O cacique conseguiu escapar do ataque, fugindo pelos fundos do imóvel. A casa foi destruída pelos criminosos.


A GaúchaZH, Alfaiate disse que acredita ser o alvo dos criminosos e que estava em casa com a esposa quando os criminosos chegaram. Ele foi encontrado no domingo pela polícia, na mata.


A investigação apurou que o ataque à casa de Alfaiate ocorreu em meio à disputa de poder pela liderança da tribo com o vice, Vanderlei Ribeiro.


Outras ocorrências, envolvendo ameaças e tiros, foram registradas nas últimas semanas.


Leia a reportagem completa


As autoridades federais estão dispostas a pôr fim ao conflito que opõe dois grupos caingangues na maior comunidade indígena do Rio Grande do Sul e culminou com atentado a tiros de fuzil contra o cacique da reserva da Guarita, no fim de semana. A Fundação Nacional do Índio protocolou no Ministério da Justiça o pedido de intervenção federal na reserva, que reúne 7 mil caingangues e cerca de 800 guaranis.


A palavra final será do ministro Sergio Moro. A rixa na reserva (situada entre os municípios de Tenente Portela, Miraguaí e Redentora, próximo à fronteira com a Argentina) opõe o atual cacique, Carlinhos Alfaiate, e o vice-cacique, Vanderlei Ribeiro, o Vandinho. Os dois partilham a governança sobre os índios há cerca de dois anos e se desentenderam a respeito da nomeação de cargos em escolas e postos de saúde, entre outros assuntos. A disputa entre os grupos dos dois líderes indígenas resultou em seis atentados a tiros em duas semanas, além de duas casas incendiadas, segundo a polícia. Em pelo menos um caso, um caingangue declarou ter sido sequestrado e torturado por índios rivais.


Uma das residências incendiadas foi a do cacique Carlinhos Alfaiate, que escapou por pouco da morte. A casa foi atacada por cerca de 15 homens armados, conforme testemunho dele e de sua esposa, que foi cercada pelos agressores, alguns deles encapuzados. O ataque deixou toda perfurada por tiros uma van do cacique e o imóvel foi completamente queimado por tochas embebidas em líquido inflamável.


É na tentativa de cessar com os distúrbios que o coordenador regional da Funai, Aécio Galiza Magalhães, fez memorando nesta segunda-feira (21) para o Ministério da Justiça, no qual sugere intervenção federal na reserva da Guarita. Caso seja atendido, o pedido resultará na destituição do cacique e do seu vice. Um interventor seria nomeado pela Funai, talvez um militar. Isso já aconteceu em outros locais do país.


— Pedi isso antes que aconteça uma chacina, uma tragédia. A intervenção pode ser por forças do Exército, pela Polícia Federal ou pela Força Nacional de Segurança (tropa de elite formada por policiais militares e civis). Os líderes dos dois grupos sentaram para negociar há duas semanas, foram firmados acertos, mas os acordos foram rompidos — justifica Aécio.


Entre os acertos que foram esboçados estaria uma distribuição mais equitativa de cargos nomeados pelo cacique e vice.


Aécio é coronel da reserva do Exército e foi indicado para o posto pelo general Franklimberg Ribeiro de Freitas, que foi presidente da Funai até junho.


Aécio coordena a regional da Funai em Passo Fundo, que responde por todas as reservas caingangues do RS. Ele não sabe se o pedido será atendido, mas salienta para o risco de pessoas inocentes serem mortas no conflito. A intervenção não teria prazo para acabar.


O Ministério Público Federal (MPF) também solicitou intervenção. Em memorando à Polícia Federal, a procuradora da República Camila Bortolotti, que supervisiona de forma interina as ações referentes à reserva da Guarita, solicitou o reforço de policiamento naquela área indígena. A PF até o momento realizou perícia nas casas incendiadas, mas o pedido é para que seja reforçado o contingente de federais, com envio de pessoal de Porto Alegre, se necessário. E também com apoio da Brigada Militar.

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer